Início Amor+Jovem Amor+Jovem: Fábio Casaleiro

Amor+Jovem: Fábio Casaleiro

Por
233
0
(Foto: Levi Redondo Bolacha)

Fábio da Silva Casaleiro, 17anos, Pilado, Dança clássica e contemporânea

Quando começaste?

Comecei a dançar em 2010 (na altura com 12 anos), no clube de dança do Colégio Dinis de Melo (CDM Dancers).

Porquê?

Inicialmente, a minha entrada para o clube de dança era, exclusivamente, para passar mais tempo com as minhas amigas. Elas já tinham ingressado no ano anterior e descreviam aquela “atividade” como um momento de diversão e de partilha de bons momentos (facto que vim a constatar).

Treinas quanto tempo por dia/semana?

Atualmente, pratico certa de 11horas semanais. E por dia, varia entre mínimo de 1h e máximo de 4h. Que é um número bastante reduzido! Um desportista para se tornar bom deveria de treina um mínimo de 3horas diárias, o que se torna impossível devido fatores económicos, transportes, à incompatibilidade com os horários escolares que apresentam uma carga horária verdadeiramente “anti-atividades extracurriculares” e que transformam as 11horas numa grande batalha contra o tempo, entre outros.

Melhores experiências?

Felizmente, ao longo do meu (curto) percurso tenho alcançado grandes objetivos. Uma das melhores experiências da minha vida foi no meu 7ºano (com 13anos), quando entrei no grupo de competição dos CDM Dancers. Este momento foi um acumular de momentos de muita união e amizade que me fez perceber que talvez a dança não fosse só um hobbie. Ao longo dos três anos que se seguirão também vivi grandes aventuras, competições, atuações,… muitos momentos que recordo com todo o carinho e saudade. Porém, preciso de destacar um marco na minha vida e dos CDM Dancers: A participação do Colégio e de Leiria no campeonato nacional de ARE (Atividade Rítmicas e Expressivas), e consequentemente, a atuação no palco do MEO Arena, em Lisboa, onde acabamos por regressar com o 4º lugar de ARE.

E muitos outros momentos ficarão eternamente na lista das melhores experiências: primeiras aulas de contemporâneo e de ballet, a primeira vez que atingi 180º numa espargata, atuações com a Cia Jovem Project (companhia semi-profissional), a audição para a mesma companhia, o primeiro espetáculo que protagonizei, entre outros.

Quais são os custos associados?

A dança é um área muito desvalorizada, assim como muitos desportos e da própria arte, em Portugal. Os custos são elevados abrangindo a mensalidade, o transporte, figurinos para espectáculos (tendo em conta que muitos deles não dão para reutilizar devido ao seu caráter performativo), etc…

O que é que dança mudou em ti?

A dança tornou-se a minha parceira de vida. Mesmo lesionado, a dança corre-me no sangue e nem seja só num “batocar” de dedos numa mesa ou de uma “abanadela do capacete”. Sou só um adolescente que quer seguir os sonhos, mas também sou um rapaz sem medo de dizer o que o coração não consegue transmitir até à voz. Quando atravesso um determinado período de tempo sem ensaios ou parado em tratamento de lesão (acontecimentos inevitáveis), surge um vazio que não sei explicar, mas que desaparece quando danço, em pesquisa de temas relacionados ou enquanto conto as histórias que a dança me ajudou a escrever.

Gostavas de te tornar profissional e fazer disto a tua vida?

Esse é um dos objetivos da minha vida. Daqui a um ano, espero ingressar a Escola Superior de Dança, do Instituto Politécnico de Lisboa para me licenciar em dança. E quem sabe o que se seguirá?

Partilhar
Artigo anteriorDiferenças (Setembro.2016)
Próximo artigo#AmorPorAí – Cristiana Gonçalves
Escrito por:

Levi Redondo Bolacha

Com formação em Química e Biologia, perdeu-se de amores pela Genealogia após um trabalho da cadeira universitária de Genética. Apaixonado por vários temas, é normal encontrá-lo perdido numa livraria a deambular entre a área da História e da Ficção Cientifica. | Mais sobre o autor...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here